quinta-feira, 11 de julho de 2013

A igreja é o reflexo do seu pastor

A Igreja é o reflexo do seu pastor e, se o pastor se espelha nas Escrituras Sagradas, a igreja que ele pastoreia irá refletir esta mesma imagem. Mas o que temos visto por aí nesses últimos anos é uma total descrença no ministério pastoral, pois muitos não estão refletindo a imagem de Cristo. Foi feita uma pesquisa a respeito das três classes que estão mais desacreditadas e a conclusão que se chegou foi: os políticos, a polícia e os pastores. Isso tem ocorrido porque os pastores estão deixando de ser aquilo que pregam. Muitos estão mais envolvidos com as coisas dessa terra do que com o seu chamado. Charles Spurgeon dizia para os seus alunos: “Meus filhos, se a rainha da Inglaterra vos convidar para serdes embaixadores em qualquer país do mundo, não vos rebaixeis de posto, deixando de ser embaixadores do Reis dos reis e do Senhor dos senhores”.
A crise que tem atingido a sociedade tem respingado na Igreja, e o pior, tem chegado até o púlpito. Embora estejamos vivenciando um crescimento numérico na Igreja Brasileira, não temos visto a transformação da nossa sociedade. Tudo isso é um reflexo de que a Igreja não tem tido uma mensagem transformadora, mas uma mensagem moldadora. Uma mensagem que faz bem aos ouvidos, mas que não transforma o coração. E tudo isso, infelizmente, vem do púlpito. Outros por medo de perderem o seu lugar na igreja local se tornam boca do povo para Deus e não boca de Deus para o povo, ou seja, pregam o que o povo quer ouvir e não o que eles precisam ouvir.
Pastores que agem assim são, geralmente, pastores com muita “unção”, mas sem nenhum caráter. É bom lembrar que o caráter sustenta a unção e não vice versa. Há uma crise pastoral e ela precisa ser sanada muito rapidamente, para que a próxima geração não esteja totalmente perdida. Estamos vivendo uma crise ministerial isso é um fato. E isso começa com a teologia que muitos seguem. Muitos estão abraçando várias teologias, menos a bíblica. Vejamos o que tem atuado em muitas igrejas hoje:
O Evangelho da Prosperidade – onde a benção e a graça de Deus sobre a pessoa é medida pelos bens que ela possui. Teologia esta que está na maioria dos púlpitos das igrejas pentecostais e neopentecostais. Descobri recentemente um detalhe interessante nesta teologia, que Cristo morreu na Cruz do Calvário para que eu tivesse muita saúde, carro zero, casa na praia e ser muito rico, ou seja, Jesus não passa de um gênio da lâmpada.
Teologia Inclusiva – A Teologia Inclusiva, como a própria denominação sugere, é um ramo da teologia tradicional voltado para a inclusão, prioritariamente, dos homossexuais. Segundo os seus adeptos, a Teologia Inclusiva contempla uma lacuna deixada pelas estruturas religiosas tradicionais do Cristianismo, pois, por meio da Bíblia, compreende que todos os que compõem a diversidade humana, seja ela qual for, têm livre acesso a Deus por meio do sacrifício de Jesus Cristo na cruz. É o famoso venha como está e fique como está.
Alguns textos que condenam o homossexualismo: Gn 19; Lv 18.22, 20.13; Rm 1.24-28,32; 1Co 6.9,10; 1Tm 1.8-10. Mas Deus é poderoso para mudar a vida dessas pessoas.
Teísmo Aberto ou Teologia Relacional – O atributo mais importante de Deus é o amor. Todos os demais estão subordinados a este. Isto significa que Deus é sensível e se comove com os dramas de suas criaturas. Deus não é soberano. Deus ignora o futuro, pois Ele vive no tempo, e não fora dele. Ele aprende com o passar do tempo. Deus se arrisca. Ao criar seres racionais livres, Deus estava se arriscando, pois não sabia qual seria a decisão dos anjos e de Adão e Eva. E continua a se arriscar diariamente. Deus corre riscos porque ama suas criaturas, respeita a liberdade delas e deseja relacionar-se com elas de forma significativa.
Igrejas Emergentes – As igrejas emergentes estão mais preocupadas com o ouvinte do que com a mensagem em si, e em seu desejo de pregar um evangelho que seja “aceitável” ao homem pós-moderno, acabam por negligenciar os pressupostos básicos do cristianismo, chegando mesmo a negar a literalidade do nascimento virginal de Cristo, seus milagres, a ressurreição de Jesus e a existência do inferno eterno. É “a preferência pela vivência correta ao invés da doutrina correta”. Teologia passa longe dessas igrejas.
Missão Integral – Esse evangelho não passa de uma variante protestante da Teologia da Libertação. Os que defendem essa teologia são líderes cristãos que continuam trancados no armário do socialismo.[1]
Teologia Liberal (Liberalismo Teológico) – A “Teologia Liberal é um movimento que, iniciado no final do século XIX na Europa e Estados Unidos, tinha como objetivo extirpar da Bíblia todo elemento sobrenatural, submetendo as Escrituras ao crivo da crítica científica (leia-se ciências humanas) e humanista. No liberalismo teológico, geralmente, não há espaço para os milagres, profecias e a divindade de Cristo Jesus”. Relativizando a autoridade da Bíblia, o liberalismo teológico estabeleceu uma mescla da doutrina bíblica com a filosofia e as ciências da religião. Ainda hoje, um autor que não reconhece a autoridade final da Bíblia em termos de fé e doutrina é denominado, pelo protestantismo ortodoxo, de “teólogo liberal”. Um pequeno exemplo nós encontramos em relação à existência de Jó. Para os liberais ele não passa de uma alegoria, mas então eu me questiono porque que em Ez 14.14, 20; Tg 5.11 falam dele como se ele fosse um personagem real? Então eu fico com a Bíblia e não com os defensores dessa teologia. Bem disse Jesus “Errais, não conhecendo as Escrituras, nem o poder de Deus” (Mt 22.29).
O que temos visto hoje em dia, são muitos pastores confusos teologicamente em seus ministérios. O Rev. Hernandes Dias Lopes nos fala que a igreja evangélica brasileira vive um fenômeno estranho. Estamos crescendo explosivamente, mas ao mesmo tempo estamos perdendo vergonhosamente a identidade de evangélicos. O que na verdade está crescendo em nosso país não é o evangelho, mas outro evangelho, um evangelho híbrido, sincrético e místico. Vemos prosperar nessa terra uma igreja que se diz evangélica, mas que não tem evangelho. Prega sobre prosperidade, e não sobre salvação. Fala de tesouros na terra, e não de tesouros no céu.
Nessa babel de novidades no mercado da fé, o Rev. Hernandes Dias Lopes identifica alguns tipos de pastores:[2]
Primeiro, há pastores que são mentores de novidades. São pastores marqueteiros. Quando um pastor entra por esse caminho, precisa ter muita criatividade, pois uma novidade é atraente por algum tempo, mas logo perde seu impacto. Aí é preciso inventar outra novidade. É como chiclete. No começo você mastiga, ele é doce, mas depois você começa a mastigar borracha.
Segundo, há pastores que são massa de manobra. São pastores sem rebanho que estão a serviço de causas particulares de obreiros fraudulentos.
Terceiro, há pastores que deliberadamente abandonaram a sã doutrina. Muitos pastores inexperientes, discipulados por esses mestres do engano, abandonam o caminho da verdade e se capitulam à heresia. É importante afirmar que o liberalismo é um veneno mortífero. Aonde ele chega, mata a igreja. Há muitas igrejas mortas na Europa, na América do Norte e, agora, há igrejas que estão flertando com esse instrumento de morte também no Brasil. Não temos nenhum registro de um liberal que tenha edificado uma igreja saudável. Não temos nenhum registro de um liberal que tenha sido instrumento de Deus para um grande reavivamento espiritual.
Quando uma igreja chega ao ponto de abandonar sua confiança na inerrância e suficiência das Escrituras, seu destino é caminhar rapidamente para a destruição.
A teologia define o caráter e à medida que o pastor se afasta da teologia bíblica, automaticamente ele irá se afastar de Deus e seguir outra direção. Mudar a mensagem para agradar aos ouvintes é mercadejar a Palavra de Deus. Os bancos não podem controlar o púlpito. O pastor não pode ser seduzido pelas leis do mercado, mas deve ser um fiel despenseiro de Deus (1Co 4.1,2). O dever do pregador não é encher o auditório, mas encher o púlpito. Querendo as pessoas ou não ouvir a verdade, não temos que fazer marketing religioso e de falar apenas o que elas querem ouvir. A crise moral e espiritual está por demais enraizadas para ser solucionada com remendos superficiais. Por isso precisamos urgentemente reavaliar a nossa teologia, a nossa fé e o nosso ministério para não cairmos também no descrédito assim como muitos tem caído.
Notas:
[1] Venâncio, Norma Braga. A Mente de Cristo Conversão e Cosmovisão Cristã. Ed. Vida Nova, São Paulo, SP, 2012: p. 49.
[2] Lopes, Hernandes Dias. De: Pastor A: Pastor. Ed. Hagnos, São Paulo, SP, 2008: p. 22,23.

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

A VERDADE TRANSFORMDORA DO EVANGELHO


Por Pr. Silas Figueira  

“No dia seguinte, estava João outra vez na companhia de dois dos seus discípulos e, vendo Jesus passar, disse: Eis o Cordeiro de Deus! Os dois discípulos, ouvindo-o dizer isto, seguiram Jesus. E Jesus, voltando-se e vendo que o seguiam, disse-lhes: Que buscais? Disseram-lhe: Rabi (que quer dizer Mestre), onde assistes? Respondeu-lhes: Vinde e vede. Foram, pois, e viram onde Jesus estava morando; e ficaram com ele aquele dia, sendo mais ou menos a hora décima. Era André, o irmão de Simão Pedro, um dos dois que tinham ouvido o testemunho de João e seguido Jesus. Ele achou primeiro o seu próprio irmão, Simão, a quem disse: Achamos o Messias (que quer dizer Cristo), e o levou a Jesus. Olhando Jesus para ele, disse: Tu és Simão, o filho de João; tu serás chamado Cefas (que quer dizer Pedro”). (Jo 1.35-42)
 
Estamos vivenciando dias tenebrosos em relação à mensagem do Evangelho. O Evangelho puro e simples tem sumido dos púlpitos e tem sido pregado em seu lugar outro evangelho; como disse o apóstolo Paulo em Gálatas 1.6,7: 

“Admira-me que estejais passando tão depressa daquele que vos chamou na graça de Cristo para outro evangelho, o qual não é outro, senão que há alguns que vos perturbam e querem perverter o evangelho de Cristo”. 

Outro evangelho é o que temos visto por aí. Um evangelho híbrido, que tem sido o cruzamento do Evangelho com ideias humanas, nascendo assim um monstro devorador, levando as pessoas a terem uma ideia totalmente distorcida de quem seja realmente Jesus, e, principalmente, porque Ele morreu na cruz.

O Evangelho puro e simples tem sido substituído pelo sincretismo religioso (Sincretismo - Sistema filosófico ou religioso que tende a fundir numa só várias doutrinas diferentes; ecletismo). Estamos vivendo a época onde muitas igrejas têm adotado em seus cultos certos costumes e ritos de outras religiões, como por exemplo, o sal grosso, da rosa ungida, águas vindas de Israel, óleo consagrado... No entanto, tudo isso não passa de uma distorção do verdadeiro Evangelho. Do Evangelho que liberta o pecador e traz alento a alma carente da graça de Deus. 

O texto em apreço nos leva a reflexão sobre o quanto a Verdade do Evangelho pode transformar o ser humano. E por que cremos assim?
Por algumas razões que encontramos no próprio texto e leva a ver de forma clara o quanto o Evangelho puro e simples é abeçoador e transformador. Vejamos:

1 – Em primeiro lugar: o Verdadeiro Evangelho leva as pessoas seguirem a Cristo e não seguirem a homens (Jo 1.35-37).

João Batista começa a se desvencilhar dos seus discípulos, pois ele veio para anunciar a Jesus e fazer com que as pessoas seguissem a Cristo e não a ele:
“No dia seguinte, viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo! É este a favor de quem eu disse: após mim vem um varão que tem a primazia, porque já existia antes de mim. Eu mesmo não o conhecia, mas, a fim de que ele fosse manifestado a Israel, vim, por isso, batizando com água. No dia seguinte, estava João outra vez na companhia de dois dos seus discípulos e, vendo Jesus passar, disse: Eis o Cordeiro de Deus! Os dois discípulos, ouvindo-o dizer isto, seguiram Jesus”. (Jo 1.29-31; 35-37.

Hoje o que mais temos visto são líderes preocupados em fazer seus seguidores, seus discípulos e não discípulos de Jesus, ou então seguidores de determinadas igrejas (venha para minha igreja e você será abençoado...). Estamos vivendo a época do culto a celebridade. As pessoas vão ao culto por causa de fulano, por causa de beltrano e não para adorar a Jesus. 

2 – Em segundo lugar: o Verdadeiro Evangelho testemunha a verdade que é Cristo o Messias (Jo 1.40,41).

“Era André, o irmão de Simão Pedro, um dos dois que tinham ouvido o testemunho de João e seguido Jesus. Ele achou primeiro o seu próprio irmão, Simão, a quem disse: Achamos o Messias (que quer dizer Cristo)”.
André vai se encontrar com seu irmão Simão para dizer que havia encontrado o Messias. 

O povo Judeu esperava ansioso o surgimento de um Salvador, o Messias. Aguardavam dia a dia o surgimento desta pessoa prometida por Deus.

Esperavam porque esse Salvador fora prometido diversas vezes no Antigo Testamento. Veja um texto apontando o surgimento dessa pessoa: “Eis que o SENHOR fez ouvir até às extremidades da terra estas palavras: Dizei à filha de Sião: Eis que vem o teu Salvador; vem com ele a sua recompensa, e diante dele, o seu galardão.” (Is 62).

A palavra Messias em hebraico quer dizer “ungido”. É um título que significa que a pessoa era separada especialmente pelo Senhor para uma obra especial. Jesus era esse Messias. O Ungido prometido por Deus. Daí nós entendemos o grande entusiasmo de André em falar a todos que havia encontrado “O Messias”, Jesus.

Inclusive, a palavra “Cristo” não é um sobrenome de Jesus, mas um título. Cristo na língua grega significa “ungido”. Assim, Messias (em hebraico) e Cristo (em grego) são títulos que significam a mesma coisa: Ungido.

André apresentou Simão ao Messias prometido, e não a mais um dos vários messias que já haviam surgido em sua época. 
 
André é um exemplo para nós. Assim como ele apresentou Jesus ao seu irmão, nós devemos apresentar Jesus às pessoas, mas não um Jesus similar como se tem pregado por aí, mas o Jesus verdadeiro. O Jesus que a Bíblia nos apresenta. 
 
3 – Em Terceiro lugar: quem tem o Verdadeiro Evangelho procura levar as pessoas a conhecer a Cristo (Jo 1.42a).

“e o levou a Jesus...”

André não se conteve após ter encontrado Jesus. Ele procurou em primeiro lugar o seu irmão e lhe falou que havia encontrado o Messias e levou Simão até Jesus. Faça como André não retenha essa grande descoberta!

Conta-se uma história de um missionário na Índia que pregou para várias pessoas de uma determinada casta por vários anos, mas ninguém havia se convertido. No entanto, o seu empregado que cuidava do seu jardim de tanto ouvir o evangelho pregado pelo missionário veio a se converter e quis se batizar. Mas o missionário lhe disse que ele não havia vindo a Índia para pregar para a casta daquele homem e que não iria batiza-lo. No entanto a esposa do missionário lhe falou que era para batizá-lo, pois afinal de contas fora o único que havia se convertido. O missionário concorda com a esposa e o batiza com a seguinte condição: não contar para ninguém que ele havia se convertido e que fora batizado por ele. 


No dia do seu batismo ele estava radiante de felicidade. Porém, no dia seguinte ao seu batismo, ele desapareceu da casa do missionário. Por vários meses ele ficou sem dar notícias. Até que um belo dia ele aparece na porta da casa do seu patrão. Pediu desculpas, e disse que  ele havia feito aquilo porque ele não conseguiu se conter de tanta felicidade e saiu pelos vilarejos contando para todo mundo o que Jesus havia feito em sua vida e pregando o evangelho que ele havia aprendido ouvindo o missionário. Por isso estava de volta e havia trazido cerca de umas cem pessoas para o missionário batizar. E assim mês após mês ele trazia várias outras pessoas para o missionário batizar. Em pouco tempo havia mais de mil pessoas alcançadas pelo evangelho através daquele indiano.


O que aquele indiano tinha e faltava ao missionário era o entusiasmo de levar as pessoas a conhecerem a Cristo e o desejo de apresentá-Lo a todas as pessoas, independente de qual casta essa pessoa era. André fez isso!


O QUE O VERDAIRO EVANGELHO CAUSA EM NOSSAS VIDAS?


No momento em que Simão teve o encontro com Jesus três fatos marcaram a vida Simão. E o que ocorreu com ele ocorre com cada pessoa que tem um encontro real com o Salvador.


1 – Em primeiro lugar: Jesus mostrou para Simão que conhecia o seu passado (Jo 1.42b).


“Olhando Jesus para ele, disse: Tu és Simão, o filho de João”.  Jesus estava dizendo para Simão que conhecia a sua origem, seus parentes, a história de sua vida. Jesus estava dizendo para Simão que sabia como ele havia sido criado. 


Jesus estava dizendo para Simão que conhecia as suas vitórias e também os seus fracassos; devido a vida e criação que Simão havia recebido de seus pais, Jesus estava dizendo para Simão que conhecia as suas angústias e seus sonhos. Que para Ele não havia nada oculto na vida de Simão. 


Jesus também olha para você e sabe da sua história de vida. Conhece muito bem de onde você veio. Quais são as suas heranças genéticas. O que você herdou de seu pai e de sua mãe. Conhece o seu gênio, suas inquietações, seu medos e também seus sonhos.


2 – Em segundo lugar: Jesus mostrou para Simão que conhecia o seu presente (Jo 1.42b).


“Olhando Jesus para ele, disse: Tu és Simão...”


Jesus estava dizendo para Simão que conhecia o que a sua criação havia proporcionado a ele como pessoa, como cidadão judeu e o que ele havia se tornado.


Jesus também olha para cada um de nós hoje e nos diz a mesma coisa. Jesus conhece os nossos medos, as nossas manias. 


O quanto você muitas vezes esteve sorrindo por fora, mas chorando por dentro. 


Jesus sabe que muitas vezes você já se perguntou por que você nasceu assim; porque você não se sente amado pelos seus pais ou quem sabe pelos seus amigos. Jesus conhece você e sabe o quanto muitas vezes você se sentiu um lixo, algo descartável; um nada. Mas eu quero lhe contar uma breve história. Preste atenção. O título dela é: Lixo para uns... Tesouro para outros.


Um homem certa vez foi até uma garagem de uma casa onde estava havendo a venda de vários objetos. Ele observou que no fundo da garagem, coberta por um cobertor, estava uma moto. Mas não era uma moto qualquer, era uma Harley-Davidson, ele então perguntou se a moto também estava a venda. A pessoa lhe falou que poderia até vender, mas o motor dela não funcionava. Nem sai do lugar. Vale mais a pena comprar uma nova que tentar consertar essa coisa velha. Mesmo com todas essas informações ele perguntou quanto ele queria naquela sucata. Bem, creio que no ferro velho eu consiga vendê-la por uns 35 dólares. Eu lhe pago esse valor então, respondeu Bob. Posso pegá-la amanhã?


De repente, a velha Harley estava ocupando na garagem de Bob. Depois de algumas semanas de protelação, ele resolveu telefonar para a fábrica da Harley-Davidson só para saber quanto custariam as peças principais de reposição. O telefone foi transferido para o setor de peças; o funcionário lhe perguntou qual era o número de série da moto. Bob forneceu o número.


Quando o homem do setor de peças volta a sua voz parecia diferente. Estranha. Ponderada. Como se alguma coisa importante estava prestes a acontecer. 


- Eu... eu vou precisar lhe telefonar de volta para você, está bem? Você poderia me fornecer seu nome completo, telefone e endereço? Por favor?


Bob não viu nenhum mal nisso, pois ele achou que iria fazer parte de alguma lista de motociclistas.


Alguns dias depois o telefone de sua casa toca. Dessa vez, contudo, não era o funcionário do setor de peças; Bob se viu falando com um dos executivos da Harley. O homem então lhe falou:


- Preste atenção, Bob – ele disse -, quero que você me faça um favor, está bem?


- Hum... bem, acho que sim.


- Bob, quero que você deixe o telefone de lado, sem desligá-lo, retire o assento de sua moto e veja se existe alguma coisa escrita embaixo dele. Você faria esse favor, Bob?


O homem falava igual um controlador de tráfego aéreo.


Bob então faz o que o homem do outra lado da linha havia pedido e retornou ao telefone.


- Sim – ele disse -, existe alguma coisa escrita ali. Está escrito: “O REI”. O que isso quer dizer?


O homem ficou mudo por alguns segundos do outro lado da linha.


Quando voltou a falar disse:


- Bob, meu patrão autorizou-me a lhe oferecer 300 mil dólares pela moto, com pagamento à vista. O que você acha? Podemos fechar negócio?


Bob ficou tão atordoado que mal conseguia falar.


-Eu... eu... preciso pensar um pouco – ele gaguejou. 


No dia seguinte ele recebeu o telefonema de um famoso apresentador de televisão lhe oferecendo 500 mil dólares pela moto velha.


“O REI” era nada mais nada menos do que Elvis Presley, aquela velha moto havia pertencido a ele e estava sendo procurada a muitos anos. Aquela moto velha comprada por 35 dólares valia cerca de 700 mil dólares. Essa moto era uma relíquia, pois havia pertencido ao rei do Rock’n Roll. 


O valor não tinha nada a ver com a beleza da moto, com o material usado em sua fabricação, nem em seu desempenho... Tudo estava ligado ao fato de que ela havia pertencido ao Rei do Rock. 


Eu quero dizer para você que o Rei dos reis lhe tocou. Seu nome está escrito no Livro da Vida. Ele, o Rei dos reis, Jesus habita em seu coração. O seu preço é o preço que Jesus pagou na cruz do Calvário por você. Ainda que você ou outras pessoas lhe digam que você não tem valor eu lhe digo e Jesus está lhe dizendo também: você tem valor, pois o Rei Jesus lhe marcou. O Rei Jesus lhe comprou e lhe resgatou. 


Veja o que a palavra de Deus nos fala em Romanos 8.30:


“E aos que predestinou, a esses também chamou; e aos que chamou, a esses também justificou; e aos que justificou, a esses também glorificou”. 


Você pode se sentir um lixo, mas você tem valor, por isso não se sinta assim.


3 – Em terceiro lugar: Jesus mostrou para Simão que conhecia o seu futuro (Jo 1.42b).


“...tu serás chamado Cefas (que quer dizer Pedro)”.


Em outro encontro que Jesus teve com Pedro lhe confirmou o que  havia lhe dito:


“Disse Jesus a Simão: Não temas; doravante serás pescador de homens” (Lc 5.10c).


“Quem dizeis que eu sou? Respondendo Simão Pedro, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo. Então, Jesus lhe afirmou: Bem-aventurado és, Simão Barjonas, porque não foi carne e sangue que to revelaram, mas meu Pai, que está nos céus. Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Dar-te-ei as chaves do reino dos céus; o que ligares na terra terá sido ligado nos céus; e o que desligares na terra terá sido desligado nos céus” (Mt 16.15-19). 


Em Jesus nós temos uma nova vida. O nosso futuro sempre será glorioso, pois Ele tem uma mudança de vida a realizar em nós todos os dias, para que o nome dEle seja glorificado em nós.


Você vai se chamar Pedro e não será mais conhecido como Simão. Você não se chamará mais Jacó, mas Israel. Não se chamará mais Abrão, mas Abraão. O nome mudado significa história também mudada. Ainda que o nosso nome continue o mesmo, mas a nossa história de vida será totalmente diferente em Cristo Jesus nosso Senhor. 


Você não será mais conhecido como bandido, mas como servo do Deus altíssimo. Você não será mais conhecida como prostituta, mas como uma mulher santa e abençoada pelo Senhor. Jesus marcou o seu coração. 


Aos olhos do mundo podemos parecer sem valor, mas para o nosso Deus nós valemos muito, pois o REI JESUS está em nosso coração.


O Verdadeiro Evangelho revela Jesus e traz transformação e alegria para as nossas vidas.


Que o Senhor nos abençoe e nos guarde!